Conhece alguém que balança as pernas para adormecer? Esta pode ser a explicação

Se o seu rebento balança ou move ritmicamente uma segmento do corpo antes de adormecer, isso pode ser um sinal do distúrbio de movimento rítmico relacionado com o sono (DMR).

O DMR envolve movimentos corporais repetidos e costuma manifestar-se nos primeiros anos de vida, sendo mais prevalente entre os meninos, diz um artigo de revisão da Sociedade Brasileira de Pediatria. Os sintomas tendem a vanescer com o passar do tempo — regra universal, ficam resolvidos entre os três e os quatro anos —, mas, em casos raros, podem persistir na idade adulta.

A American Academy of Sleep Medicine (AASM) explica que os episódios acontecem quando a muchacho está a adormecer ou durante qualquer estágio do sono. Outrossim, também podem ocorrer durante atividades silenciosas, quando ela está acordada, por exemplo, a ouvir música ou a marchar de coche. Já as ações são rápidas, com um ou dois movimentos a cada um ou dois segundos. Um incidente pode insistir até 15 minutos e as crianças com idade suficiente para falar, de modo universal, não se lembram dele ao despertar.

Existem vários tipos de DMR, incluindo:

  • Nutar o corpo. A muchacho pode oscilar o corpo todo apoiada nas mãos e nos joelhos. Ela também pode oscilar a segmento superior do corpo quando está sentada;
  • Sovar com a cabeça. Isto costuma suceder quando a muchacho está deitada de ventre para insignificante. Ela levanta a cabeça ou toda a segmento superior do corpo e, em seguida, bate a cabeça com força na almofada ou no colchão. Esta ação é repetida e também pode ocorrer na posição sentada;
  • Movimentos laterais com a cabeça. A cabeça é abanada de um lado para o outro, regra universal, quando a muchacho está deitada de costas.

As formas de movimento rítmico menos comuns incluem o seguinte:

  • Sacudir o corpo
  • Sovar com as pernas
  • Nutar as pernas

Os movimentos rítmicos só são diagnosticados porquê um distúrbio se existirem consequências associadas aos eventos porquê, por exemplo, quando as ações prejudicam gravemente a muchacho ou perturbam muito o sono da mesma. Caso tenha dúvidas, procure um pediatra.

Nos adultos, pode ser síndrome das pernas inquietas?

Depende. Oriente problema é crónico e pode dificultar o sono dos pacientes. A síndrome das pernas inquietas caracteriza-se “por sensações desconfortáveis nos membros inferiores, que ocorrem mais ao final do dia e à noite, sobretudo na cama”, explica o Dr. Alexandre Mendes, neurologista no Hospital Lusíadas Porto e médico da Consulta de Doença do Parkinson e outras doenças do movimento, no site oficial do grupo de saúde. 

As sensações, refere o perito, “surgem em repouso” e “forçam a pessoa a mover os membros inferiores para obter alívio”. Quem sofre da síndrome das pernas inquietas pode descrever vários tipos de sensações que nascem no interno destes membros: latejamento, dor, comichão e até uma sensação elétrica. Estes sintomas vão-se intensificando e só com o movimento é que se consegue sentir qualquer refrigério.

Já nos casos de distúrbio de movimento rítmico relacionado com o sono, os movimentos constituem uma forma de a pessoa se acalmar para facilitar o sono, não havendo uma sensação desconfortável nas pernas, nos braços ou em ambos os membros, quando se está sentado ou deitado, e a que se associa uma vontade irresistível de os movimentar. 



Link da fonte