A visão é dos sentidos mais importantes que temos para nos conectarmos com o mundo

Com os olhos conseguimos enobrecer o tempo a passar e as estações do ano a sucederem-se umas às outras. É com eles que vemos as primeiras folhas a tombar, as árvores a despirem-se e os dias a ficarem cada vez mais curtos, a anunciar que o outono chegou.

Nesta profundeza do ano há menos horas de luz proveniente e com a chegada do insensível e da chuva passamos mais tempo em vivenda e consequentemente em frente da TV, do computador, do tablet e do telemóvel. A utilização excessiva dos meios digitais, e sem a ergonomia visual adequada, tem consequências oculares, ainda que não permanentes, tais uma vez que a astenopia (fadiga ocular), calor e hiperemia (olho vermelho) associadas também à secura ocular pela carência do pestanejo. Outra razão para uma mais frequente sensação de olho sequioso no outono é o facto de se estar mais próximo dos aquecedores e lareiras. Para mitigar estes sintomas, recomenda-se postura adequada à mesa/cadeira/ecrã durante o seu uso.

Usar preferencialmente boa iluminação proveniente, complementada com luz sintético superior, sempre paralela às janelas e paredes, para evitar reflexos nos ecrãs. Devem-se manter limpas as superfícies dos monitores e regular os brilhos para o mínimo, desde que perfeitamente visível, e o contraste para o supremo.

O pestanejo é muito importante na lubrificação ocular, assim uma vez que manter o ecrã ausente dos olhos entre 50 a 70cm, com o topo do monitor à profundeza dos nossos olhos e com uma inclinação de 10 a 20 graus para a frente.

Deve-se zelar para que as condições de temperatura e humidade envolvente sejam as mais confortáveis. Muito importante para reduzir a astenopia é realizar pequenos intervalos, aplicando a regra 20/20/6, isto é, a cada 20 minutos de fixação do ecrã, fazer uma pausa de 20 segundos fixando um objeto a 6 metros.

Muitas vezes surge a pergunta se nesta estação do ano não seria preferível usar lentes de contato por razão da chuva ou óculos por razão das lareiras. A resposta é individual e deve ser recomendada em consulta por um Optometrista. No caso de uso das lentes de contato é imperativo ter desvelo com a sua manutenção de limpeza, validade e tempo de utilização. A utilização diária deve ser de forma a permitir tapume de 2 horas sem porte de lentes de contacto. Nunca utilizar as lentes excessivamente próximo de fontes de calor, tais uma vez que lareiras e fogões. No caso de exposição ao ar condicionado pode ser necessário recorrer ao auxílio de lubrificantes oculares oferecido que são aparelhos que retiram a humidade do ar.

Também é bastante generalidade a questão se com o término do Verão já não é necessário usar os óculos de sol. Estes são dispositivos de proteção individual, pelo que é fundamental que sejam utilizados ao longo de todo o ano, pois a radiação ultravioleta continua presente mesmo com o sol encoberto. Deve sempre confirmar que os óculos de sol cumprem com a norma ISO de proteção ultravioleta UVA e UVB, através da marca CE na haste da armação, seguida da indicação da categoria de 0 a 4. As categorias 2 e 3 estão recomendadas para uma utilização com intensidade luminosa média e subida, com permissão de utilização em transporte viatura. A escolha da categoria e cor da lente deve ser adequada à urgência, ao conforto e a sensibilidade à luz do utente, garantindo uma visão confortável, sem modificar a noção das cores dos objetos observados.

Por término e não menos importante, manter uma alimento saudável, aproveitando os mantimentos provenientes da idade do outono, ricos em carotenos, uma vez que cenoura, jerimu, laranja, papaia, diospiro, vegetais verdes, peixe, frutos secos e muita chuva. A hidratação dos nossos olhos está relacionada com a forma uma vez que hidratamos o nosso corpo e, em privado, com a presença de vitamina A em quantidade suficiente.

Vigiar a nossa saúde da visão é confirmar e promover o nosso bem-estar, desenvolvimento e autonomia. É importante a realização de consultas de Optometria anualmente, prevenindo o surgimento de condições oculares evitáveis e irreversíveis.

Os textos nesta troço refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a ACTIVA nem espelham o seu posicionamento editorial.



Link da fonte