Ana Markl e o 25 de Abril: “Para mim, a ditadura era o papão e os capitães de Abril eram estrelas de rock”

Depois de Onde Moram os Teus Macaquinhos?, Ana Markl lança o seu segundo livro infantil intitulado Avó, Onde É que Estavas no 25 de Abril? A propósito deste lançamento tão importante e referto de significado, e quando vamos a caminho do 50.º natalício do 25 de Abril (número rotundo e bonito que se completa em 2024), conversámos com a autora sobre o imaginário da Revolução dos Cravos, e as histórias que ela ouviu racontar enquanto crescia e que acabaram por inspirar o enredo do livro.  

Lê a entrevista e vê oriente vídeo em que a Ana Markl explica o que é isso de liberdade e revolução. E não te esqueças de manducar brócolos! 

Uma vez que surgiu a teoria de grafar oriente livro? 
Perante o sucesso da primeira proeza do Manu, Onde Moram os Teus Macaquinhos?, eu e a Célia Louro decidimos que haveria cá potencial para uma coleção de livros focada em algumas particularidades da cultura portuguesa. Esse repto pareceu-nos suficientemente abrangente para que fizesse sentido grafar primeiro sobre expressões idiomáticas e agora sobre um momento fundamental para a nossa História e a nossa identidade enquanto povo. No fundo, uma vez que todas as crianças, esta personagem procura o seu lugar no mundo. 

Nasceste cinco anos em seguida o 25 de Abril. Durante a puerícia, que histórias te contavam sobre oriente dia? 
O 25 de Abril foi vivido intensamente pela minha família, por isso os meus pais – ótimos contadores de histórias – contavam recorrentemente e de forma muito vívida as suas memórias desse dia: onde estavam, uma vez que tudo aconteceu, que música se ouvia… E contavam também o que era o país antes do 25 de Abril. Para mim, a ditadura era um verdadeiro papão e os capitães de Abril eram estrelas de rock.