Ajude os seus filhos a dormir melhor

Muitos pais queixam-se de que a hora de ir para a leito é sempre uma luta, de que adormecer os miúdos é tão difícil que chegam a desabar no sono antes deles ou, logo, que durante a noite acordam várias vezes e de manhã estão cheios de sono.

Isto pode ser um problema, visto que dormir muito é necessário para a saúde, porquê nos explica Filipa Pimenta, psicóloga clínica e docente e investigadora do ISPA. «É durante o sono que as crianças e os jovens segregam a hormona do incremento. Por outro lado, garante um estabilidade metabólico, oferecido que é nessa fundura que se processam os lípidos (gorduras), o que é fundamental para uma gestão saudável do peso. Uma boa higiene do sono permite também a construção de isenção, podendo, inclusive, ajudar a prevenir o desenvolvimento de células cancerígenas. Finalmente, dormir muito é necessário para uma boa regulação emocional.»

Três grandes motivos que justificam um mau sono

Novidades – A chegada de um irmão, uma educadora novidade, a mudança de morada, escola ou até de horários podem fazer com que a gaiato tenha mais dificuldade em acalmar-se e adormecer.

Falta de rotinas – As crianças sentem-se mais confortáveis quando conseguem antecipar o que vai sobrevir. A previsibilidade dá-lhes segurança, por isso, se não houver uma rotina que promova a calma antes de ir para a leito, será mais difícil que adormeçam.

Exposição a conteúdos desadequados – No caso de as crianças usarem tablets, telemóveis ou até televisão, é recomendável que haja um controlo parental. Se tiverem aproximação a conteúdos que, não sendo explicitamente violentos, os possam inquietar, isso pode refletir-se à noite. Ao verem-se sozinhos no escuro poderão sentir terror.

Estratégias para uma boa noite de sono

«Nos mais novinhos, a previsibilidade é muito importante, e treina-se desde o início», reforça Filipa Pimenta. Saber que depois do jantar há um momento de pândega a que se segue o banho e a ida para o quarto onde os pais leem uma história permite à gaiato antecipar cada um dos passos e «admitir» a rotina e «permite-lhes autoregular-se, mesmo ao nível das emoções.»

Uma outra estratégia para prometer um adormecer tranquilo é usar objetos de transição, porquê peluches ou bonecos, que representam a segurança que os pais lhes dão. Ter estes objetos junto a si tranquiliza-os.

O bocejo é também uma boa técnica. «A partir dos 5 anos, as crianças já imitam o bocejo por revérbero, por isso, à noite, os pais que bocejem à vontade», aconselha a técnico. «E até podem validar o bocejo, dizendo ‘Ei, que grande bocejo, vê-se que estás cansado!’, isso permite à gaiato identificar no seu corpo sinais de que precisa mesmo de repousar.»

A atividade física é necessário. Uma hora por dia promove um desenvolvimento saudável e ajuda-os a gastar energias. Porém, é de evitar que realizem atividades físicas ou mentais exigentes nas duas horas anteriores a ir para a leito.

Pessoas para um lado, tecnologia para o outro

Filipa Pimenta deixa um alerta relativo ao uso de ecrãs, seja telemóvel, tablet ou computador. «Não devem ser utilizados pelo menos uma hora antes de deitar, uma vez que emitem uma luz azul que inibe a produção de melatonina, uma hormona que prepara o corpo para o sono», sublinha. «Além de que estimulam cognitivamente a gaiato ou jovem. Eles ficam porquê que em alerta, até porque muitas vezes estão a jogar ou a ver vídeos divertidos que os fazem rir, e tudo isso fá-los despertar, que é precisamente o que não queremos.»

O ideal, porquê nos diz, é que os telemóveis nem sequer fiquem à noite no quarto: «As pessoas dormem num sítio da morada e a tecnologia fica noutra assoalhada.» E esta é uma nota também para os pais, já que o exemplo é muito importante. A teoria é que, antes de ir para a leito, deixem tudo na sala ou na cozinha, por exemplo.

«Vários estudos mostram que os jovens que dormem com os telemóveis no quarto acordam com as notificações, mesmo que não sejam sonoras e vejam unicamente a luz do aparelho. De manhã vão estar mais cansados, mais irritados, com maior dificuldade em aprender e até na memória.» Em alguns casos, acrescenta, «as crianças mais novas revelam até alguns sintomas de hiperatividade.»

Quantas horas devem dormir?

Antes de mais, é desejável que a gaiato se deite a uma hora regular. «Simples que a vida é feita de imprevistos e tem de ser vivida com flexibilidade, mas tanto quanto provável a regularidade na hora de deitar é importante», avisa a psicóloga. E mesmo em período de férias não convém que varie para além de uma hora, ou seja, se costuma deitar-se às 21 horas, o ideal é que vá para a leito às 22.

Quanto ao período de sono, entre os 2 e os 4 anos, é desejável que durmam 10 a 13 horas por dia (incluindo as sestas); entre os 6 e aos 13 anos, o habitual são 9 a 11 horas.

Filipa Pimenta é autora, em parceria com Ivone Patrão, do livro A Almofada Mágica do Coelho Tomás (editora PACTOR Kids).

Link da fonte